quinta-feira, 23 de abril de 2015

Homens de honra


“Eu vou pelo caminho de todos os mortais. Coragem, pois, e sê homem!” (1Rs 2.2).

A família, a igreja e a sociedade precisam de homens de verdade, homens de honra. Esse foi o conselho de Davi a Salomão, seu filho, antes de morrer. Há muitos homens famosos, ricos, cultos, influentes, mas escasseiam os homens de honra. Homem de honra é aquele cuja vida é irrepreensível, cujas palavras são irresistíveis e cujas obras são irrefutáveis. Homem de honra é aquele que teme a Deus, ama a família e serve ao próximo. Homem de honra é aquele que, embora pobre enriquece a muitos; embora anônimo, abençoa a muitos; embora longe dos holofotes, ilumina a muitos.

Homem de honra é aquele cuja vida é irrepreensível, cujas palavras são irresistíveis e cujas obras são irrefutáveis
Precisamos de homens de honra, homens que tenham a coragem de amar a esposa como Cristo amou a igreja. Homens que tenham o compromisso de ensinar os filhos pelo exemplo mais do que pelas palavras. Homens que não terceirizam a liderança de sua casa nem se esquivam do sacerdócio do seu lar. Precisamos de homens como Abraão que levantou altares para adorar a Deus. Precisamos de homens como Josué que disse para sua nação: “Eu e a minha casa serviremos ao Senhor”. Precisamos de homens como Neemias que teve coragem de chorar e jejuar pelo seu povo e se colocar nas mãos do Altíssimo para erguer do pó a sua cidade. Precisamos de homens como Paulo, que dispôs sua vida para servir a Cristo na saúde e na doença, na riqueza e na escassez. Precisamos de homens que não se dobrem diante da sedução dos prazeres nem das perseguições do mundo. Homens que enaltecem a verdade e combatem a mentira.

Homens cuja vida é o avalista de suas palavras.
Precisamos de homens de honra na política, nos tribunais, na educação, na saúde, na igreja, no comércio, na indústria, e sobretudo, na família. Somente homens de honra inspiram os mais jovens à integridade. Chega dos discursos hipócritas daqueles que estadeiam virtude no palco e rasgam todos os códigos da decência nos bastidores. Precisamos de exemplo e não de palavras, pois palavras sem vida são propaganda enganosa, trovão sem chuva, árvores cheias de folhas, mas desprovidas de frutos.

O conselho de Davi a Salomão nos ensina a necessidade de prepararmos nossos sucessores. Davi está morrendo, mas Salomão precisa pegar o bastão e continuar sua obra. Davi está morrendo, mas os princípios que governaram sua vida devem continuar na vida de Salomão, seu sucessor. Os homens de honra do presente precisam se inspirar nos homens de honra do passado, pois a história deve ser nossa pedagoga e não nossa coveira. Os melhores dias do passado podem ser medidas mínimas do que Deus pode fazer no presente.

Fonte: Palavra da Verdade | Rev Hernandes Dias Lopes

Continue Reading…

sábado, 18 de abril de 2015

Quando Deus Parece Calado


“Atenda, atenda!”, você grita ao telefone enquanto a pessoa que você ama está caída inconsciente no chão. Você já ligou freneticamente para a emergência. O telefone chama e chama, mas ninguém responde. “Quanto tempo, Deus, quanto tempo vai demorar até que eles respondam à minha chamada?” Nada.

Imagine seu desespero. Segundos transformam-se em minutos, mas ainda não há nenhuma resposta do atendente da emergência. Você está clamando por socorro, mas recebe apenas silêncio em troca. Você já clamou a Deus e não recebeu nenhuma resposta? Você já se sentiu como se Deus estivesse surdo para você?

O rei Davi de Israel sentiu-se assim. No Salmo 13, Davi registrou sua intensa frustração com o silêncio de Deus durante um tempo de profunda necessidade. Ali ele nos deu o exemplo de oração para seguirmos quando nos sentirmos como ele se sentiu.

É interessante que Davi não nos fornece os motivos específicos de seu chamado de emergência a Deus. Portanto, não sabemos se foi causado por enfermidade ou outra forma de dificuldade. O que sabemos é que a falta de reposta de Deus foi agonizante. Um escritor comentou: “O próprio tempo se torna uma força destrutiva, esgotando a capacidade do homem de se suster e intensificando o sofrimento em um nível desumano”.[1]

O Lamento

O Salmo 13 é um lamento individual, “um gênero de salmo no qual o falante do poema define uma crise e invoca a Deus para pedir por socorro”.[2] Ele “termina com uma nota de esperança e confiança”.[3] Davi colocava sua confiança em Deus com respeito ao seu pedido, e o salmo enfatiza, cândida e sinceramente, a reação tripla de Davi à falta de resposta de Deus. Primeiro, Davi revelou seu problema – que passara a ser a falta de resposta do próprio Deus.

“Até quando, Senhor? Esquecer-te-ás de mim para sempre? Até quando ocultarás de mim o rosto? Até quando estarei eu relutando dentro de minha alma, com tristeza no coração cada dia? Até quando se erguerá contra mim o meu inimigo?” (Sl 13.1-2).

Davi se sentia ignorado e esquecido por Deus – alienado, sozinho com seus pensamentos.
Davi implorou a Deus quatro vezes, perguntando: “Até quando?” Você pode perceber a intensidade da emoção nas perguntas retóricas de Davi. Ele se sentia ignorado e esquecido por Deus – alienado, sozinho com seus pensamentos. Como aquele que chama a emergência. Davi estava profundamente angustiado.

Ele, então, verbalizou seu tumulto interior à medida que lutava com seu problema que parecia não terminar e que o cercava por todos os lados. As emoções francas de Davi podem ser desconfortáveis para alguns leitores. Entretanto, como observaram Kenneth Baker e Waylon Bailey: Deus é amigo do que duvida honestamente, que ousa conversar com Ele em vez de falar sobre Ele. A oração que inclui um elemento de questionamento a Deus pode ser um meio de aumentar a fé daquela pessoa nEle. Expressar dúvidas e clamar sobre situações injustas no universo mostram a confiança que a pessoa tem em Deus de que Ele deveria ter uma resposta para os problemas insolúveis da sociedade.[4]

Quando você se defrontar com suas próprias frustrações com Deus, confie nEle – como Davi – expressando sua luta e angústia.

A Petição

Davi, então, faz uma transição: de questionar a Deus para orar a Deus. Ele faz sua petição a Deus, pedindo por uma resposta: “Atenta para mim, responde-me, Senhor, Deus meu! Ilumina-me os olhos, para que eu não durma o sono da morte; para que não diga o meu inimigo: Prevaleci contra ele; e não se regozijem os meus adversários, vindo eu a vacilar” (Sl 13.3-4).

O salmista usou uma oração com três partes (atente, responda, ilumine) para implorar a Deus. Ele buscou uma resposta, preferivelmente a resposta positiva das bênçãos e do favor de Deus. Depois, Davi apelou a Deus e a Sua reputação (v.4). Um comentarista escreveu o seguinte: “Antes que venham mais problemas, e antes que os ímpios tenham motivo para se regozijar por causa da derrota dos justos, Deus deve agir para proteger Sua honra”.[5] Davi implorou a Deus, dizendo essencialmente: “Por favor, dá-me motivos para me alegrar. Ou, pelo menos, não dês aos meus inimigos (e aos Teus inimigos) motivos para se alegrarem”. Como Davi, devemos orar a Deus em meio às circunstâncias difíceis e pedir que Ele nos responda.

O Louvor

Depois que Davi expressou seu problema e orou, ele louvou a Deus por Sua bondade e pelas bênçãos passadas: “No tocante a mim, confio na tua graça; regozije-se o meu coração na tua salvação. Cantarei ao Senhor, porquanto me tem feito muito bem” (Sl 13.4-5).

Que grande contraste entre o apelo emocionado de Davi a Deus no início (vv.1-2) comparado com estes versículos tranqüilos de confiança. Davi verbalizou sua escolha intencional de confiar em Deus a despeito de suas circunstâncias difíceis. Ele expressou sua confiança no amor do Senhor, um amor que não falha – resolvendo se regozijar e cantar ao Senhor porque Ele “me tem feito muito bem”.

“A esperança desespera, todavia, o desespero dá esperança”. Martim Lutero
Foi dito a respeito de Davi: “Embora ele tenha passado por profundo desespero, o salmista não desiste. (...) Ele se apegou à promessa da aliança de amor de Deus”.[6] Davi não estava arrasado pelos seus problemas; em sua situação desafiadora, ele disse: “Confio”. Martim Lutero certa vez declarou: “A esperança desespera, todavia, o desespero dá esperança”.

É interessante que todos os salmos de lamentação (com exceção do Salmo 88) terminam com louvor a Deus pela libertação e fidelidade mostradas no passado.[8] Claus Westermann descreveu o final da situação de Davi: “Aquele que lamenta seus sofrimentos a Deus não permanece em seu lamento”.[9] Davi decididamente colocou sua confiança no cuidado soberano de Deus, a despeito da falta de resposta de Deus. Ele determinou que poria sua confiança naquilo que ele sabia que era verdade sobre o caráter e a fidelidade de Deus em vez de ceder aos seus sentimentos de desânimo e desilusão.

O Dr. Mark McGinniss disse: “O silêncio de Deus não significa a ausência de Deus”. Davi resolveu confiar que o Deus soberano a quem ele servia estava agindo por detrás das cenas, a despeito de Sua aparente ausência.

Até quando, Senhor, eu terei que viver com esta doença crônica? Até quando, Senhor, não trarás de volta meu neto desobediente? Até quando, Senhor, terei que continuar desempregado? Até quando, Senhor, não nos darás um filho? Quando nós, como Davi, estamos enfrentando o que parece ser um silêncio sem respostas de Deus – a chamada sem resposta à emergência, quando clamamos pelo Seu nome – devemos seguir o exemplo de Davi: derramar diante de Deus os detalhes do problema; orar, pedindo a Ele por uma resposta; e louvá-lO por quem Ele é, a despeito de como nos sentimos em meio às nossas circunstâncias.

Deus tem um propósito para todas as coisas, até para aquilo que parece ser o silêncio dEle. Todavia, Ele promete que nunca nos deixará, nem nunca nos abandonará (Hb 13.5). Clamar pelo nome do Senhor está apenas a uma chamada de emergência de distância.



Fonte:
Portal Chamada - Paul Golden 

Notas:

Claus Westermann, The Living Psalms [Os Salmos Vivos], trad. J.R. Porter (Grand Rapids, MI: Eerdmans, 1989), 71.
“Glossary of Literary Tems and Genres” [Glossário de Termos e Gêneros Literários], The Literary Study Bible [A Bíblia de Estudos Literários], www.esvLiteraryBibleStudy.org/glossary#lamnt.
Peter Craigie, Word Biblical Commentary [Comentário Bíblico de Palavras] (Waco, Tx: Word Books, 1983), 19:141.
Kenneth L. Baker e Waylon Bailey, Micah, Nahum, Habakkuk, Zephaniah [Miquéias, Naum, Habacuque, Sofonias], The New American Commentary [O Novo Comentário Americano], (Nashville, TN: Broadman & Holman, 1998), 20:277-278.
Willem A. VanGemeren, “Psalm 13” The Expositor’s Bible Commentary [O Comentário Bíblico do Expositor] ed. Frank Gaebelein (Grand Rapids, Mi: Zondervan, 11991), 5:141.
Ibid.
Ibid.
Dr. Mark McGinnis, entrevista pessoal, em 19 de janeiro de 2007.
Westerman, 69.
Continue Reading…

sexta-feira, 10 de abril de 2015

Como vencer os obstáculos da vida


Por Hernandes Dias Lopes em Palavra da Verdade

A vida é uma corrida e uma corrida com obstáculos. Nossa trajetória não se dá, entretanto, num estádio iluminado, com pistas aplainadas e uma plateia entusiasmada nos ovacionando. Não raro, cruzamos solitariamente desertos tórridos, navegamos por mares revoltos e atravessamos pinguelas estreitas sobre pântanos ameaçadores. Os vencedores são aqueles que apesar de suas fragilidades, tiram seus olhos das circunstâncias, para colocá-los em Deus.

A Escritura diz que Deus faz forte ao cansado e multiplica as forças ao que não tem nenhum vigor. Deus levanta do pó o abatido, do monturo o necessitado e o faz assentar-se entre príncipes. Deus é quem adestra nossas mãos para a batalha. É ele quem faz com que a mulher estéril seja alegre mãe de filhos. É ele quem nos toma pela mão direita, nos guia com seu conselho eterno e nos recebe na glória. Nossos problemas podem ser insolúveis, se olharmos para as nossas fraquezas. Porém, se olharmos para Deus, aquilo que nos era impossível, torna-se realidade, pois para Deus não há impossível em todas as suas promessas.

A história humana está crivada de exemplos de pessoas que superaram suas fraquezas, triunfaram sobre sua limitações e conquistaram retumbantes vitórias. Thomas Alva Edson, o maior inventor de todos os tempos, somente frequentou o colégio três meses. A escola devolveu-o por concluir que não tinha condições de acompanhar seus pares. Sua mãe investiu em sua educação e fez dele um dos maiores cientistas do mundo. Henry Ford, o maior fabricante de carros do mundo, estudou apenas até o primeiro ano do secundário. Inobstante as limitações de sua educação formal, foi uma das mentes mais brilhantes, criativas e empreendedoras da história. John Milton ficou completamente cego aos cinquenta anos de idade. Para todos os que estavam à sua volta, era o fim de sua carreira, o epílogo triste de um homem que mergulhava na escuridão. Porém, sob o manto da cegueira, escreveu o grande clássico, “O paraíso perdido”. O grande compositor Ludwig Van Beethoven, depois de uma surdez progressiva, ficou completamente surdo aos quarenta e seis anos de idade. Para todos, a surdez irreversível parecia ser o fim de sua brilhante carreira musical. Entrementes, apesar desse fato doloroso, ele compôs mais cinco sinfonias, suas músicas mais excelentes. Fanny Crosby, a maior compositora evangélica de todos os tempos, ficou cega na sexta semana de vida e viveu noventa e dois anos na escuridão da cegueira. Mas, essa mulher extraordinária compôs mais de oito mil hinos traduzidos e cantados no mundo inteiro, músicas que têm espargido abundantemente a luz de Cristo Jesus. Todas essas pessoas enfrentaram imensos obstáculos, ultrapassaram barreiras humanamente impossíveis, mas venceram.

Talvez seus obstáculos sejam outros. Talvez você tem uma limitação física, ou emocional, ou mesmo espiritual. Talvez você esteja enfrentando uma crise conjugal, um drama familiar, uma tempestade financeira. Talvez você esteja amargando uma derrota fatídica por causa de um vício que o escraviza. Você se sente inadequado diante de desafios imensos, de ameaças concretas, de obstáculos superiores às suas forças. Nessas horas você é tentado é entregar os pontos, a jogar a toalha, a se dar por vencido. Porém, encorajo você a olhar para cima, a olhar para Deus. Não há causa perdida quando a colocamos nas mãos de Deus. Não há vida irrecuperável para o Filho de Deus. Ele fez prodígios ontem e continua fazendo maravilhas hoje. Ele é o nosso refúgio. Nele está a nossa esperança. Dele vem o nosso socorro. É ele quem nos faz mais do que vencedores!
Continue Reading…

quarta-feira, 8 de abril de 2015

10 mandamentos para os pastores


Família e igreja são instituições criadas por Deus, é verdade. Infelizmente encontramos pastores que canalizam mais o seu amor e atenção à igreja, esquecendo que a família deve ser, depois de Deus, a instituição que deve ser priorizada na vida, seja de pastor ou não.

1 – Não amarás mais sua igreja do que sua família

Família e igreja são instituições criadas por Deus, é verdade. Infelizmente encontramos pastores que canalizam mais o seu amor e atenção à igreja, esquecendo que a família deve ser, depois de Deus, a instituição que deve ser priorizada na vida, seja de pastor ou não.

2 – Nunca permita que sua esposa faça na igreja algo apenas porque é a esposa do pastor

Lembro-me que certa vez fui sondado para ser pastor de uma igreja e a comissão de sucessão perguntou a Bete se ela tocava piano, porque queriam um pastor que fosse casado com uma pianista. Esposa de pastor deve ser envolver nos trabalhos da igreja, antes de tudo, como crente que recebeu de Deus dons e talentos como todos os crentes.

3 – Nunca deixe de tirar férias com sua família

Uma vez ouvi um pastor falando a plenos pulmões que se orgulhava em dizer que seu cuidado para com a igreja era tanto que havia anos que não tirava férias com a família. Foi-se o tempo que isso soava bem aos ouvidos do povo de Deus.

4 – Mostre sempre para a igreja que você também é marido e pai

A igreja precisa entender de que como marido e pai você não vai ter condições de participar de todos os cultos, reuniões da igreja. Você precisa ter coragem para dizer à sua igreja que num determinado sábado você sairá para jantar com sua esposa.

5 – Jamais passe para a igreja que você tem um casamento e uma família perfeita

Por quê? Porque todos nós somos pecadores. A igreja não quer um pastor perfeito. Os casais precisam saber que como todos os mortais você tem conflitos e desafios pessoais para melhorar sua vida conjugal e familiar a cada dia.

6 – Nunca se esqueça: Existem centenas de igrejas, mas família você só tem uma.

O maior legado que você deve deixar é no seio de sua família. O que adianta ser lembrado pela igreja ou denominação, mas não encontrar com seus filhos no céu? Seja um pastor aprovado por Deus na igreja e na família.

7 – Nunca pense que você está imune a um envolvimento sexual ilícito

Esteja atento. O Diabo vai querer derrubar você na área moral. Muito cuidado com o relacionamento com o sexo oposto. Lembre de tratar as mulheres mais idosas como mães e as mais novas como irmãs.

8 – Quando chegar em casa, seja esposo e marido

Se usa terno e gravata, tire assim que chegar em casa. Beije sua esposa, abrace seus filhos. Ajude sua esposa no cuidado da casa e com as crianças. Role no chão com seus filhos se ainda são pequenos. Converse com seu filhos adolescente.

9 – Mostre para seus filhos que há coerência entre o que você prega e o que vive em casa

Seus filhos estão percebendo se aquilo que você fala do púlpito é vivido dentro de casa. Sua esposa também. Não seja um fariseu, pregando algo que não vive no casamento e na família.

10 – Nunca se esqueça de que quem sustenta sua família é Deus e não a igreja a que serve

Trabalhe na igreja como um homem chamado por Deus, não para ganhar dinheiro. Nunca se esqueça de quem o sustenta é Deus. Se um dia a igreja deixar de sustentar sua família, saiba que Deus irá providenciar outras fontes. O seu sustento vem de Deus e não da igreja.


Fonte: Ministério Oikos via Sou da Promessa


Continue Reading…

segunda-feira, 6 de abril de 2015

Quem eu sou para vocês?


Por Ricardo Barbosa de Sousa em Revista Ultimato

Jesus, certa vez, perguntou aos seus discípulos: “Quem eu sou para vocês?”. Pedro, orientado pelo Espírito Santo, reconhece que Jesus não é simplesmente mais um dos que se autoproclamavam messias. Ele responde: “O Senhor é o Cristo de Deus” – o Senhor é o Rei ungido por Deus que veio trazer o governo de Deus sobre toda a criação, salvando, redimindo e curando tudo o que foi corrompido pelo pecado e pela desobediência. Essa é a confissão básica de onde tudo o mais tem sua origem.

O chamado para seguir a Cristo requer, antes de tudo, uma confissão. Para Pedro e os primeiros discípulos, essa confissão representou um longo caminho de obediência, entrega sacrificial, serviço e martírio. Se Jesus é o Cristo de Deus, o Rei ungido por Deus, enviado para estabelecer seu governo de justiça, paz, alegria e salvação, para aqueles que assim confessam, não existe nenhuma outra opção senão a de segui-lo nos termos que ele mesmo define. C. S. Lewis disse que “o cristianismo, se for falso, não tem valor; se for verdadeiro, tem valor infinito. A única coisa que lhe é impossível é ser mais ou menos importante”.

A experiência cristã começa com uma confissão sobre quem é Jesus. Toda confissão é clara, objetiva e racional. Nenhuma confissão diz respeito ao que sentimos ou achamos. Nenhuma confissão se fundamenta em ideias vagas, conceitos abstratos ou sentimentos subjetivos. Quando Pedro afirma “O Senhor é o Cristo de Deus”, ele reconhece quem Jesus é dentro da história e da teologia.

A partir dessa confissão começa uma longa jornada. Essa confissão nos oferece uma identidade, um caminho, um jeito de viver e um destino. O apóstolo Paulo entendeu sua identidade como uma nova criatura em Cristo. Era um apóstolo de Cristo, um servo de Cristo, um prisioneiro de Cristo, estava no mundo para realizar a vontade de Cristo. “Para mim o viver é Cristo” – disse ele.

Essa confissão nos aponta um caminho onde abrimos mão da busca por autoafirmação e realização. Um caminho onde buscamos obedecer incondicionalmente ao Cristo de Deus. Um caminho onde aprendemos a orar dizendo: “Não o que eu quero, mas o que tu queres”. Nesse caminho, tomamos a nossa cruz e com ela renunciamos nossa agenda, e nos entregamos à agenda do reino de Cristo.

A confissão diz respeito a uma pessoa. Confessamos a Cristo. Seguimos a Cristo e vivemos como Cristo viveu. A vida de Jesus define nosso jeito de viver – nossos relacionamentos, valores, ética e moral. A pergunta de Jesus é clara: “Quem eu sou para vocês?”. Não cabe na resposta um conceito impessoal, seja ele religioso ou ideológico. A resposta será sempre pessoal – “O Senhor é…”. Quando seguimos uma pessoa, quem ela é define quem seremos enquanto caminhamos.

“Quando Jesus Cristo chama um homem, ele o chama para morrer”
A confissão define nosso destino. O destino de Jesus foi a morte na cruz, o nosso também será. Dietrich Bonhoeffer disse: “Quando Jesus Cristo chama um homem, ele o chama para morrer”. Não existe um meio-termo. Ou Jesus é o Cristo de Deus ou é um grande impostor. Se confessarmos que ele é o Senhor, nosso destino será traçado por ele. Porém, a morte na cruz não foi o destino final de Jesus; a ressurreição e sua ascensão revelam sua vitória sobre a morte e nosso destino final.

Quem é Jesus para você? Escreva a sua confissão usando apenas uma sentença. Não responda repetindo irrefletidamente o que Pedro ou outros já responderam. Dê sua resposta pessoal, uma resposta que seja coerente com a forma como você vive. Todos nós vivemos a partir daquilo que cremos, quer tenhamos consciência da nossa confissão ou não. Uma confissão verdadeira nos conduz a uma vida igualmente verdadeira.


Ricardo Barbosa de Sousa é pastor da Igreja Presbiteriana do Planalto e coordenador do Centro Cristão de Estudos, em Brasília. É autor de, entre outros, A Espiritualidade, o Evangelho e a Igreja.


Continue Reading…

quinta-feira, 2 de abril de 2015

A Bíblia tem importância?


Por John Ankerberg e John Weldon no portal Chamada

A fé cristã está sendo cada vez mais atacada em nossos dias, até mesmo na América, a nação que tem se beneficiado tão extraordinariamente de sua influência positiva na vida nacional e individual. Ironicamente, muitos estão agora expressando abertamente seu desdém pela fé cristã que lhes tem proporcionado liberdade – entre eles estão secularistas, liberais, humanistas, multiculturalistas, políticos e, inclusive, líderes religiosos.

Tal desdém pode ser visto como uma das grandes ironias dos tempos atuais. Céticos e outros, que desejam demolir violentamente a Bíblia e a fé cristã, deveriam, na verdade, ficar de joelhos, agradecendo a Deus por ela, porque, caso contrário, eles claramente não teriam as bênçãos e as liberdades para seus empreendimentos pessoais. Quaisquer inadequações que a fé cristã tenha expressado por toda a história, elas são totalmente insignificantes comparadas às incalculáveis bênçãos que tem produzido na América e em todo o mundo. E os benefícios são amplamente devidos a um fator: os ensinamentos da Bíblia vividos de maneiras práticas por homens e mulheres que crêem neles. Quando examinamos os benefícios da fé cristã para a humanidade, devemos nos lembrar de que é a Bíblia que tem o papel central.

Colocado de maneira simples, sem a influência da Bíblia, não haveria uma América, quanto mais uma civilização ocidental na qual as pessoas têm liberdade para censurar expressões da fé cristã. O cristianismo merece o crédito por muitos dos grandiosos avanços políticos, sociais, humanitários, científicos, educacionais e culturais no mundo ocidental. A Bíblia, como parece, tem inspirado a maioria dos grandes escritores, artistas, cientistas, políticos e educadores. Contrariamente, aqueles que buscam enfraquecer ou destruir a influência cristã meramente se engajam em uma forma de suicídio cultural. Eles destroem a exata possibilidade de construírem a vida melhor que buscam.

O cristianismo merece o crédito por muitos dos grandiosos avanços no mundo ocidental.
Exemplos de áreas nas quais o cristianismo tem exercido profunda e positiva influência na civilização ocidental incluem:
  • Estabelecimento e desenvolvimento da ciência moderna e do direito;
  • Estabelecimento e desenvolvimento da medicina e dos cuidados com a saúde, envolvendo o primeiro estabelecimento de hospitais;
  • Educação moderna, inclusive a fundação de quase todas as mais importantes universidades americanas, tais como Princeton, Harvard, Yale e Dartmouth;
  • Proporcionar bases lógicas através de valores absolutos para o avanço da ética em geral, inclusive a moralidade sexual, que apenas em nossa época já salvou milhões de vidas;
  • Proteger a dignidade do casamento e da vida em família, que contribui grandemente para a estabilização da sociedade;
  • Instituir liberdade política e direitos humanos de modo geral, inclusive a abolição da escravatura e a proteção das crianças que estão por nascer, dos bebês, das crianças e das mulheres;
  • Inspirar grandes contribuições para o melhor da arte, literatura, música e arquitetura;
  • Fortalecer globalmente os vastos empreendimentos humanitários, defendendo a dignidade do trabalho e a reforma econômica.
E a lista é extensa...

Mulheres, crianças, escravos, enfermos, crianças por nascer, analfabetos, perseguidos, mentalmente doentes, abandonados, pessoas que estão à morte – virtualmente nenhuma categoria de pessoas vulneráveis deixou de ser abraçada pela fé cristã. A Cruz Vermelha, o Exército da Salvação, a educação pública (que teve origem com os reformadores protestantes), o capitalismo moderno, direitos à propriedade e propriedades privadas, proteção aos trabalhadores, direitos humanos das mulheres, liberdade política e democracia, a idéia de liberdade e justiça social para todos – tudo isto deve seu apoio ou sua existência aos ideais bíblicos. A diferença entre o mundo pré-cristão e o mundo pós-cristão é como a noite e o dia e a Bíblia fez a diferença.

De fato, para citar um exemplo da nossa época moderna, o mundo em si está mais seguro no presente e toda uma nação de 300 milhões de habitantes é livre hoje por causa da fé cristã de um homem – por causa de sua confiança pessoal em Cristo e sua crença na Bíblia. O presidente americano Ronald Reagan desmantelou, quase que sozinho, a União Soviética porque cria que fora chamado para essa tarefa e confiava que Deus traria os resultados. Ele venceu a Guerra Fria e libertou a União Soviética, revigorou a América e fez muito mais porque acreditava em Cristo desde tenra idade, passava horas de joelhos em oração e era dominado por sua fé – indubitavelmente esta é a razão pela qual sua vida foi tão ricamente abençoada. O objetivo incrível e quase que inatingível de desmantelar o Estado Soviético ateu nasceu, em parte, por causa do desejo de Reagan de dar a liberdade de religião ao povo russo por amor às suas próprias almas. Como foi explicado em seu famoso discurso “Império Mau” de 8 de março de 1983, ele acreditava que “somos encarregados pelas Escrituras e pelo Senhor Jesus de nos opormos a ele [ao Império Mau] com toda nossa força”. (Ver Paul Kengor, God and Ronald Reagan [Deus e Ronald Reagan], 2004).

É por tudo isso e muito mais que, aqueles que são cristãos, deveriam se orgulhar da Bíblia, se orgulhar por terem a certeza. Mas aqueles que desejam enfraquecer a influência cristã no mundo deveriam reconhecer sua responsabilidade por tomar parte ativa na destruição de tantas coisas boas que há no mundo. É uma pena que a maior parte das vantagens citadas acima está atualmente em processo de deterioração, amplamente devido ao alarmante impacto de uma secularização amoral que luta pelo fim e o desaparecimento da influência cristã. Só precisamos testemunhar a recente corrosão na educação, no direito, na moralidade, no entretenimento cultural (como TV e música), na vida em família e até mesmo na liberdade em si. O que antes era nobre e grandioso está cada vez mais desgastado e profano.

Quanto mais as pessoas tentam destruir a Bíblia e a fé cristã, mais elas contribuem para o processo que destruirá seu próprio futuro.
E, novamente, quanto mais as pessoas tentam destruir a Bíblia e a fé cristã, mais elas contribuem para o processo que destruirá seu próprio futuro e o futuro dos outros. Logicamente, o que não poderá jamais ser destruído é aquilo que é eterno. Os benefícios práticos diários que todos experimentam com base na Bíblia são poucos em comparação com os benefícios espirituais que a fé cristã já proporcionou a incontáveis milhões de pessoas globalmente, mas isto é assunto para outro livro. Aqui estamos discutindo o Livro.

Na história da humanidade, mesmo que um bilhão de livros tenham sido escritos, apenas um é extraordinário. Mesmo dentre os livros sagrados do mundo, nenhum chega nem perto e uma pessoa precisa apenas ler todos para apreciar a verdade que há naquele único. A influência da Bíblia na história é incalculável. Ela literalmente mudou o mundo; não apenas a história ocidental, mas toda a história.

Abraão Lincoln chamava a Bíblia de: “O melhor presente que Deus deu ao homem”, enquanto que Immanuel Kant fez-lhe eco: “A Bíblia é o maior benefício que a raça humana já experimentou”. Patrick Henry entendeu que: “Ela vale todos os livros que já foram escritos” e assim também pensava William Gladstone: “Uma distância imensurável a separa de todos os seus competidores”. A. M. Sullivan corretamente observou que: “O incrédulo que ignora, ridiculariza e nega a Bíblia, rejeitando suas recompensas espirituais e seu entusiasmo estático, contribui para sua própria anemia moral”. Tais citações poderiam ser multiplicadas quase que interminavelmente.[1]

Nenhum livro escrito teve maior influência sobre o mundo. Dado o impacto, é um tanto impressionante que milhões de pessoas dentre as nações com mais alto nível de instrução formal sejam fundamentalmente ignorantes de seus conteúdos. Imagine isto. Como os ideais da educação não podem explicá-lo, talvez apenas a incredulidade proposital possa. Como certa vez observou Aldous Huxley: “A maior parte da ignorância é ignorância superável. Não sabemos por que não queremos saber”.[2]

Parece que a maioria das pessoas prefere não estudar a Bíblia porque reconhece intuitivamente que isso iria interferir em como elas desejam viver. Como resultado, a Bíblia passa por intermináveis ataques sobre sua credibilidade, ataques esses vindos de acadêmicos, céticos profissionais, líderes religiosos e culturais e assim por diante, que são finalmente absorvidos pela população em geral.

Agora todos podem relaxar

Não surpreende que, em um mundo de incredulidade, apenas uma porcentagem relativamente pequena de pessoas aceita a Bíblia como a Palavra de Deus literal e infalível. Infelizmente, além dos preconceitos culturais e emocionais, outra parte do problema pode ser encontrada na própria igreja cristã, que tem frequentemente falhado em ensinar seus membros sobre a Bíblia, não apenas doutrinariamente, mas também segundo as evidências. É improvável que alguém dê apoio ao conteúdo da Bíblia a não ser que esteja convencido de que seu conteúdo é exato e digno de toda a confiança.

Não apenas o público em geral, mas muitos na igreja permanecem desinformados quanto à probidade da Bíblia e é por isso que estamos escrevendo este livro. O simples fato é que 2.000 anos de cuidadosa investigação feita por crentes e por incrédulos também, provam racionalmente a seguinte afirmação: A Bíblia é a Palavra de Deus sem erro demonstrável – a despeito de sua idade, autoria e muitos críticos. É significativo que, dados os 2.000 anos dos mais intensos exames por críticos e céticos, milhões de pessoas da época atual continuam a crer que a Bíblia é a Palavra de Deus literal e infalível – e argumentam que ela pode ser defendida racionalmente como tal. Podem os membros de outra fé religiosa no mundo provar logicamente tal afirmação relativamente a suas próprias escrituras?

***

Notas

Citações retiradas de Frank S. Meade, The Encyclopedia of Religious Quotations; Rhoda Tripp, The International Thesaurus of Quotations; Ralph L. Woods, The World Treasury of Religious Quotations; Jonathan Green, Morrow’s International Dictionary of Contemporary Quotations.
Aldous Huxley, Ends and Means (London: Chatto & Windus, 1946), p. 270.

Extraído de Os Fatos Sobre as Razões Para Crer na Bíblia
Uma pesquisa confiável que confirma a singularidade e a inerrância das Escrituras Sagradas.


Continue Reading…

quarta-feira, 1 de abril de 2015

Paulo aos líderes em atos 20


Por Pr. Robson Rosa Santana no portal Instituto Jetro

Em determinado momento do ministério de Paulo, especialmente ao entender que não veria mais os irmãos das várias igrejas que ajudou a plantar, o apóstolo resolveu chamar os presbíteros de Éfeso para lhes passar orientações. Suas palavras nesse discurso, registrado por Lucas em Atos 20.17-35, trazem profundos ensinamentos sobre a missão da Igreja.

Sabemos que para termos uma Missiologia paulina é preciso pesquisar sua vida e obra em Atos e nas suas epístolas. No entanto, surpreende-me, como podemos apreender ensinamentos sucintos e profundos nessas palavras de despedida.

O primeiro aspecto da missão da Igreja é pregação do evangelho.

Diante daqueles líderes Paulo diz que "anunciava", "ensinava", "testificava" do evangelho do Reino, que é o mesmo evangelho de Jesus, pois Jesus é o próprio evangelho (a boa-nova de Deus para a salvação dos pecadores). Aprendemos com o grande missionário que devemos pregar "todo o desígnio de Deus" (v.27). Lembrando-nos que o evangelho não pode ser esquartejado, hipervalorizado em algumas doutrinas e esvaziado em outras.

A pregação exige o chamado ao "arrependimento para com Deus e a fé em nosso Senhor Jesus" (v.21). A resposta ao chamado é que haverá aceitação da parte de muitos, mas também rejeição, tribulações, prisões e até morte por causa do testemunho de Jesus. Paulo foi perseguido tanto por judeus, como por gentios.

Esse Evangelho salvador deve ser pregado a todas as pessoas (judeus e gentios) e em todos os lugares ("publicamente e também de casa em casa" - v.20).

Perante seu ministério de "testemunhar da graça de Deus" (v.24) com fidelidade e perseverança, é que o apóstolo convoca os presbíteros ou bispos (pastores) - líderes com função pastoral - a que cuidassem do rebanho comprado com o sangue de Deus (v.28). Faz parte do cuidado presbiteral estar alerta contra os falsos ensinos dos falsos mestres que se levantariam dentre os da igreja. Pastores-presbíteros têm de estar vigilantes quanto à detecção e correção dos erros (v.31).

Como Paulo realizou seu apostolado (nos aspectos missionário, doutrinário e pastoral)? Com "humildade, lágrimas e provações" (v.19). Paulo não era romântico quanto ao ministério. Ele sabia o que esperava das pessoas. Muitos receberiam a Palavra com alegria, mas outros reagiriam contra com veemência e perseguição. A obra de Cristo exige dedicação e abnegação. Vigiando também para que a cobiça e a avareza não tomem conta do coração (vv.33-34). Paulo frisa, também, o lado social, quando fala de socorrer os necessitados (v.35), pois o evangelho é para a pessoa toda (alma e corpo). Recorda, assim, "as palavras do próprio Senhor Jesus: Mais bem-aventurado é dar do que receber" (v.35).

Embora enfatizando o papel humano na Grande Comissão de pregar o evangelho a toda criatura, batizar os conversos e ensinar a guardar a Palavra, não podemos esquecer que a salvação é graça. Só é possível pela vontade soberana, eletiva e amorosa de Deus. Por isso, o grande bandeirante do evangelho faz uma oração encomendando os irmãos "ao Senhor e à palavra da sua graça" (v.32). Pois o próprio Jesus já havia dito que Ele mesmo edificaria a Sua Igreja. Somente Ele "tem o poder para vos edificar e dar herança entre todos os que são santificados" (v.32, ver também Mt 16.18).

Deus dê graça constante aos salvos e santificados por Ele para que cumpram seu papel missionário de ser fiel na proclamação do evangelho e plantação de novas igrejas. Não esquecendo que a Igreja é coadjuvante. O Deus Triúno é o autor principal na salvação dos pecadores. De forma resumida: Deus Pai escolhe, Deus Filho morre pelos escolhidos, o Deus Espírito Santo aplica a obra de Cristo. A Igreja é privilegiada em participar sendo testemunha de Cristo.

O Senhor nos ajude para que sejamos encontrados fiéis. A Ele toda glória!
Continue Reading…

domingo, 29 de março de 2015

É muito rei pra pouco reino.



Expressões monárquicas estão presentes em nossa vida desde cedo. “Como reina esse menino!”, “Que linda esse menina, parece uma rainha!”, “Fulano pensa que tem o rei na barriga!”, “Toda garota sonha com o príncipe encantado”, etc.

Vamos crescendo e os símbolos vão nos acompanhando com ícones da realeza sempre marcando presença e, dentre as muitas expressões, crendo ou não, de alguma forma todos nós somos apresentados ao Reino de Deus.

Tal Reino, ensinam as escrituras, deve ser buscado em primeiro lugar, porque tudo o mais é acrescentado depois. Dado o ideal perfeito que é prometido para os que conquistam o Reino, nos aprofundamos no tema querendo conhecê-lo melhor. Aí descobrimos que o Reino já chegou, está entre nós, vive em nós, porém não ainda de forma plena.

Neste ponto começam confusões e bagunças. Os mais variados interesses vêm a tona, tanto individuais quanto institucionais. Alguns interesses são bons, carregados de bons ideais. Já outros são maus, carregados de planos e cálculos para fazer seus agentes se darem bem, como dizem os malandros declarados. E isso é mal, muito mal.

E por que é mal? Porque na disputa por espaço, posição, status, preferência e domínio sobre o coração do povo, misturam-se os reinos de homens com o Reino de Deus. Se ainda não leu a história de Absalão, leia, você vai entender claramente o que escrevo, principalmente sobre roubar o coração do povo.

O complicado é que os homens que brigam por seus reinos jamais admitem que é isso que fazem. Afirmam categórica e “piedosamente” que o que fazem é para defender e edificar o Reino de Deus e não os reinos deles, que infelizmente é o que se descobre ao final de cada aventura que termina em escândalos revelados.

Enfim, é muito rei pra pouco reino. Teimosamente volto aos evangelhos para procurar pistas nas ações dAquele que implantou o reino, o rei Jesus. E não encontro nada parecido com a agenda eleitoreira da maioria das denominações, como a mão que se pesa feito abutre faminto na hora de se fazer justiça e, na mão rala, feita de vapor, na hora de exercitar um mínimo de amor.

Do reino de Jesus o que estes tais buscam se restringe as benesses do palácio, ao valor monetário da lã das ovelhas, as facilidades e aos confortos que determinadas posições garantem. Trocando em miúdos, querem o céu que idealizaram já, agora. Como se fosse possível definir o céu, a eternidade, a plenitude do Reino que esperamos, enfim, estes sentimentos que acomodamos na poesia da fé guardada em nossos corações.

Quando digo “pouco reino”, o faço para os homens que traem colegas e irmãos, torcem interpretações de leis e estatutos, chutam antigos amigos e lambem inimigos de outrora com vistas a garantir posições, passam como trator por cima de tudo e de todos que representem uma pálida ameaça aos seus planos. É para estes que uso a expressão “pouco reino”, pois apenas para a cabecinha maculada deles e seus doentes corações é que o reino é “pouco”. Então que briguem e se matem pelos anêmicos reinos que criam com seus slogans, frases aparentemente espirituais, “santas” vinganças justificadas em rasas teologias e discursos milimetricamente calculados para cada tipo de grupo e pessoa que se comunicam.

Vivemos tempos de crise em nossa nação. Tempos difíceis que abalam empresas, instituições educacionais, imprensa, associações, famílias. Ora, por que tal quadro de crise também não afetaria igrejas? Afeta com certeza. E são tempos assim que vivificam o que jamais deveria ser esquecido: temos uma cruz para carregar, a nossa. Tal cruz pode ser percebida nas mais variadas situações, dor, sofrimento, humilhação, doença, vergonha, calúnia, perseguição, fadiga espiritual, lágrimas.

Ou seja, não importa quão duro e difícil seja o momento atual, o Reino de Deus, e somente o Reino dEle, vale nossa entrega, nosso sonho, nossa luta, nossa esperança. O Reino que a fé bíblica vive, vislumbra e ao mesmo tempo aguarda, é gigante, é eterno e tem para todo o sempre um só Rei, o Senhor Jesus. O resto se resume a briga de homens por demandas e poderes em reinos mambembes e fugazes e, bem, é só o resto.

Paz!

Por: Pr. Edmilson Mendes no portal Sou da Promessa
Continue Reading…

segunda-feira, 23 de março de 2015

Um Mundo, Uma Crise, Uma Moeda Corrente

foto: epSos .de

Por Wilfred Hahn no portal Chamada

Ordem mundial protelada ou um desvio?

Uma nova ordem mundial? Dificilmente pareceria que sim. Admitimos que o globo tem estado um tanto desorganizado. Pânico e ações desesperadas definem melhor os tempos por toda parte, não a ordem e os soldados rasos. Em determinados momentos, pode-se pensar se já chegou aquele dia sobre o qual foi profetizado, no qual as pessoas jogarão suas pratas nas ruas (Is 2.20; Ez 7.19). Entretanto, aquele colapso final profetizado ainda não está aqui; as profecias de Ezequiel e de Isaías se referem a condições que ocorrerão nos últimos estágios da Tribulação, provavelmente mais perto do tempo do sexto selo.

Em minha opinião, a CFG (Crise Financeira Global) será um importante ponto de partida para a futura coalizão dos dez reis mencionados no Apocalipse que, durante uma hora, darão autoridade ao Anticristo. Este é o ponto extremo e o objetivo diabólico do globalismo que a Bíblia profetiza. A intenção da humanidade ao buscar “o céu na terra” deve chegar a este fim. Tal conclusão é inevitável à religião. Se a prosperidade material é a rota com a qual se concorda para chegar à paz mundial – esta sendo a agenda humanística – então tudo o mais estará comprometido com esta finalidade. Grandes crises globais certamente são expedientes para forçar um consenso e acelerar a velocidade para aquele ponto de destino.

Como esta é a cosmologia básica da profecia bíblica com respeito ao globalismo, devemos parar de comentar sobre a histeria “cristã” que tão freqüentemente é dirigida a este tópico.

A futura ordem mundial única

Montanhas de papel e oceanos de tinta já foram gastos nas especulações dos detalhes exatos, das pessoas e dos planejamentos futuros das elites globais que estão dirigindo o processo do globalismo mundial. Este autor preferiu ficar longe dessas especulações e da freqüente histeria associada a este tópico em geral. Ele não é necessário nem proveitoso. Logicamente, se você gosta de romances de ficção, ou simplesmente tem fascínio por teorias da conspiração, tem liberdade para se dar a esse direito. No que se refere à coalizão de poder mundial final dos dez reis, nada mais precisa acontecer a não ser que dez nações se unam com poder suficiente para dar ao Anticristo, permitindo a ele que subjugue os negócios mundiais e inicialmente coloque em vigor as propostas de paz. Embora seja verdade que os “sinais dos tempos” em geral, com respeito à rápida tendência de globalismo, sejam claramente observáveis hoje, não é provável que já encontremos um gráfico organizacional bom e nítido definindo o andamento de uma ordem mundial em desenvolvimento ou o surgimento dos últimos dez reis.

Muito sobre a vindoura ordem mundial escrito hoje é inventado e sensacionalista e pode nos atrair para um perigoso erro.
Nesse sentido, muito sobre a vindoura ordem mundial escrito hoje é inventado e sensacionalista e pode nos atrair para um perigoso erro. Por quê? Considere a identidade e a natureza do inimigo. Ele não é um mero ser humano. É importante nos lembrarmos de que “...a nossa luta não é contra o sangue e a carne, e sim contra os principados e potestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra as forças do mal, nas regiões celestes” (Ef 6.12). Se deixarmos de considerar essa hierarquia organizada de adversários espirituais nos assuntos das pessoas, o mundo enganosamente impedirá a nossa visão. Simplesmente analisar o que é visto ou lido nos jornais também não produzirá uma conclusão correta. Afinal, é esta recusa em ver além do âmbito físico tridimensional que fundamenta a cegueira que vemos hoje na maioria dos campos de atividade humana, especialmente na economia e na geopolítica. Portanto, os responsáveis pelas questões mundiais “...não sabem os pensamentos do Senhor, nem lhe entendem o plano que os ajuntou como feixes na eira” (Mq 4.12).

A seguir, reconhecemos que existe uma armadilha cuidadosamente planejada, dos últimos dias, a caminho, armadilha que vem se desenrolando há um longo tempo e levada adiante, sendo cada vez mais incrementada, por milhares de pequenos anticristos, pelo passar dos séculos (1 Jo 2.18; 4.3). E, de fato, se uma armadilha está sendo preparada, deve haver então tanto um “armadilhador” quanto um “armadilhado”. “Cairá a ave no laço em terra, se não houver armadilha para ela?” (Am 3.5). Amós chega a uma conclusão simples de que, se uma armadilha é montada, então deve haver uma presa em vista. Já ficou estabelecido que há uma armadilha. Quem é a presa? A Bíblia nos informa claramente que há dois recipientes separados (mas inter-relacionados) das promessas de Deus: a Igreja e Israel. Esses dois, tanto corporativamente como seus membros como indivíduos, são o alvo.

Finalmente, devemos reconhecer que existe uma inteligência muito capaz, um articulador diabólico, um acusador dos irmãos, um perseguidor dos fiéis, um inimigo de Cristo, em ação: o adversário mestre, que é o próprio Diabo. Portanto, o desvio, a distração e o engano são estratégias chave que devem ser percebidas com antecedência. Se os planejamentos nefastos e maus fossem tão óbvios ou ostensivos, Satanás não poderia facilmente armar uma armadilha enganosa e efetiva para o mundo.

Isto se encaixa no caráter geral dos últimos dias, a saber, os nossos tempos. A Bíblia diz que o mundo todo é tomado pelas trevas nos últimos dias. Uma série de profecias alerta-nos para essa característica do período do fim. “Porque eis que as trevas cobrem a terra, e a escuridão, os povos” (Is 60.2). “Não será, pois, o Dia do Senhor trevas e não luz? Não será completa escuridão, sem nenhuma claridade?” (Am 5.20). As trevas e o mal são marcas desses tempos. O mal espreita sob a cobertura das trevas e o caráter do mal é agir na escuridão. “O julgamento é este: que a luz veio ao mundo, e os homens amaram mais as trevas do que a luz; porque as suas obras eram más. Pois todo aquele que pratica o mal aborrece a luz e não se chega para a luz, a fim de não serem argüidas as suas obras” (Jo 3.19-20).

Embora a Europa tenha se unificado de uma forma notável durante os últimos cinqüenta anos, a coalizão final das dez nações ainda não é óbvia.
Dadas tais condições do final dos tempos, é de se duvidar que fôssemos capazes de ver uma coalizão de dez reis se formando, certamente nada tão óbvio quanto uma estrutura governamental global monolítica ou uma única moeda corrente mundial. Embora a Europa tenha se unificado de uma forma notável durante os últimos cinqüenta anos, a coalizão final das dez nações ainda não é óbvia, certamente não é identificável em detalhes exatos. Embora nos sintamos pressionados a declarar uma resposta segura a muitas questões em aberto que ainda permanecem com relação à profecia do final dos tempos, não devemos fazer isso. Conclusões erradas podem levar a um mal maior e, pior de tudo, a uma vulnerabilidade grave e a uma cegueira letal para os acontecimentos que estão em andamento que podem estar bem debaixo do nosso nariz. É melhor continuar observando, discernindo as estações e permanecendo aberto a fatos comprovados, tanto antigos quanto atuais e o que a Bíblia revela de fato, nada mais.

Potencialmente, as interpretações mais enganosas das profecias do final dos tempos são aquelas que concluem que determinados acontecimentos devem ainda ocorrer, portanto, concentrando-se no cristão do futuro e não em sua atual preparação para o retorno de Cristo. Pode ser um ponto sutil, mas é muito importante. As teorias globais de conspiração, a vindoura nova ordem mundial e a moeda única para o mundo são todos temas que podem ter um papel de invocar a histeria, distraindo-nos de nosso enfoque adequado.

A moeda corrente única de fato já foi lançada

Já estamos muito avançados nos últimos dias. Não precisamos ser distraídos por eventos aguardados com relação às profecias. O retorno iminente do Senhor não é impedido por nenhum pré-requisito como acontecimento futuro. Embora o conceito de iminência signifique que o Senhor pode aparecer a qualquer momento, ainda que isso não seja tecnicamente correto, podemos dizer que Sua vinda é agora mais iminente do que nunca!

Todavia, é provável que a linha escatológica do tempo seja muito depois do que cremos. Neste sentido, há uma afirmação que se pode fazer de que o globalismo já avançou além do que possamos perceber, de forma que a Tribulação possa começar a qualquer momento.

Contudo, um acontecimento proeminente que muitos observadores afirmam ser necessário para precipitar determinados eventos do final dos tempos é o aparecimento de uma moeda corrente global. Esta é uma tentativa de desviar o assunto. Efetivamente, uma moeda corrente mundial única já existe. Você pode estar surpreso por ouvir este último comentário: o mundo já funciona como se tivesse uma única moeda corrente padrão. Como assim? Considere que virtualmente 99,9 por cento de todo o fluxo monetário entre fronteiras do mundo hoje são realizados por grandes instituições financeiras, bancos centrais, grandes fundos de pensão, fundos fechados de cobertura (hedge funds) e corporações. Para esses “importantes personagens”, o dinheiro já é líquida e certamente “dinheiro global”. Para aqueles que estão fora desse sistema, ele pode parecer confuso e complicado. Mas, na verdade, um sistema financeiro mundial firmemente interconectado funciona virtualmente através de todas as moedas correntes. Ainda há moedas separadas no nome, mas tudo é parte de um sistema monetário global. Vale a pena fazermos uma explicação breve sobre como isto funciona.

Você pode ficar surpreso ao ouvir este comentário: o mundo já funciona como se tivesse uma única moeda corrente padrão.
De acordo com uma pesquisa realizada pelo Bank of International Settlements (BIS), aproximadamente 90 por cento de todas as transações em moedas envolvem apenas dez moedas correntes. Todas essas moedas podem ser cobertas, trocadas, ou fixadas em um longo futuro através do uso de vários instrumentos financeiros sofisticados. Por exemplo, essas facilidades permitem que corporações multinacionais movam as peças do seu xadrez financeiro por todo o mundo como se houvesse apenas uma moeda corrente.

Onde está a evidência? Algumas fontes excelentes estão disponíveis ao público. Vários relatos desse tipo são fornecidos pelo BIS. Por exemplo, uma vez a cada três anos, essa agência publica um relatório sobre o comércio mundial de moedas correntes. O que esses relatórios revelam? Primeiro, que o câmbio de moedas estrangeiras é a maior, verdadeiramente enorme, atividade financeira dentre todos os tipos do mundo inteiro. Em 2004, mais de $1,9 trilhões em moedas correntes foram cambiados todos os dias úteis da semana. Certamente esses números aumentaram amplamente desde então.

Contudo, no início dos anos 1970, essas transações eram responsáveis por apenas US$ 18 bilhões por ano. Imagine! Hoje, no máximo trinta e cinco anos mais tarde, essa quantidade de câmbio é feita a cada treze minutos – um volume que cresceu 27.500 vezes em pouco mais que três décadas. (Esta é uma quantidade equivalente a mais que doze vezes o produto econômico mundial total do ano inteiro!)

O que vemos em ação nos mercados de câmbio internacionais hoje tomou forma muito rapidamente, acelerando marcadamente depois de 1970. Quando eu era um jovem diretor de pesquisas para uma importante empresa de Wall Street, fui alertado com relação a essas tendências muito cedo, simplesmente ao ler os relatórios disponibilizados pelo BIS e por outras organizações transnacionais. Já em meados dos anos 1980, a grande arquitetura tomando forma podia ser discernida. Observando essas rápidas tendências, lembrei-me quão estupefato fiquei. O que vem acontecendo desde aquele tempo é simplesmente espetacular, fazendo com que as tendências daqueles dias lá atrás se pareçam com meras gotas no oceano.

Discernindo entre floresta de dinheiro e árvores

Será que é provável que o mundo algum momento presencie a moeda corrente mundial única, significando aquela moeda corrente óbvia que podemos chamar pelo nome e depositar em um banco 24h em qualquer lugar do mundo? Em minha opinião, é certamente possível, mas não é necessário. Um sistema financeiro globalizado já está interconectado como se estivesse operando com uma única moeda padrão. Portanto, ficarmos com uma idéia fixa sobre a moeda mundial única e soarmos o alarme todas as vezes que há um relatório sobre um plano de unificação da moeda provoca um desvio da questão mais importante.

Alguém pode argumentar que uma moeda única é um indicador óbvio demais da hora avançada dos processos do final dos tempos. Será que Satanás permitiria que seus artifícios enganosos fossem tão transparentes, até mesmo para pessoas sem discernimento e não espirituais? Nessa visão, uma moeda única seria algo óbvio demais, o que não é necessário, em todo caso. No entanto, uma pessoa pode certamente viajar o mundo todo como se a moeda fosse única. Simplesmente vá a uma máquina de banco 24h em Tóquio ou em Tel-Aviv (ou em quase todas as cidades mais importantes do mundo) e a máquina vai convenientemente repassar a você notas de yen ou shekel, respectivamente, debitando em sua conta bancária em sua moeda local. Efetivamente, seu cartão de crédito ou de débito já funciona como uma moeda comum.

Na maioria, os “grandes” participantes financeiros gostam do sistema do jeito que ele é agora. Transações de câmbio entre as moedas existentes geram altos rendimentos para as instituições financeiras. Mais importante ainda é que um sistema de muitas moedas permite uma maior reserva financeira para manipulação e jogos nefastos a serem praticados ao redor do mundo.

Será que nós veremos a contínua convergência no número de moedas correntes no mundo? Isto é bem possível. Muitas novas moedas estão no quadro de desenhos. Por exemplo, os seis membros do Conselho de Cooperação do Golfo (GCC) quiseram formar uma moeda única, o khaliji, embora nos últimos momentos os Emirados Árabes Unidos tenham retirado seu apoio. Desde então eles acharam necessário adiar esses planos. Também, uma série de nações asiáticas concordou em acelerar seus planos para formar uma moeda comum. Poderíamos dedicar muitas páginas para documentar outros planos semelhantes ou os pontos de vista favoráveis de vários legisladores globais e economistas. Talvez, de maior significação nos tempos recentes seja a iniciativa das nações do G20 (Grupo dos Vinte) de expandir o uso do DES (direito especial de saque). Esta é uma unidade de princípios teóricos de contabilidade do Fundo Monetário Internacional que há muito representa um tipo de moeda única. Poderia esta ser a nova moeda única do mundo? Em certo sentido, já é, tendo sido apresentada pela primeira vez em sua forma atual em 1969.

Se você estiver aguardando uma nova ordem mundial monolítica ou uma moeda única, seus olhos podem estar fora da ação real.
A despeito do aparente empurrão para harmonizar as moedas correntes, hoje há, na verdade, mais moedas e bancos centrais no mundo do que havia cinqüenta anos atrás. Aproximadamente duzentas moedas diferentes ainda existem. Mas, há um sistema que funciona como uma moeda única mundial de fato? Definitivamente que sim. Existe um sistema de moeda única mundial em funcionamento que é mais do que adequado como ferramenta para uma coalizão de dez nações com o qual se pode ameaçar o mundo.

Tudo que é necessário, neste aspecto, para os acontecimentos dos últimos dias já está operativo exatamente agora. Se você estiver aguardando uma nova ordem mundial monolítica ou uma moeda única, seus olhos podem estar fora da ação real. Você precisa ser como Didi e Gogo da famosa peça de teatro de Beckett, inutilmente esperando que Godot chegasse. Esses acontecimentos não são apenas especificamente desnecessários profeticamente, mas os acontecimentos de real importância podem estar em uma forma inteiramente diferente do que a maioria das pessoas está esperando. Como é a nossa esperança, em todo caso, estamos esperando por algo muito diferente disso tudo: o retorno de Jesus Cristo, que permanece iminente.

Pensamentos para ponderar

Deus nunca permitirá à humanidade dar a desculpa de não ter conhecido a verdade da Sua existência. Ele revela mais àqueles que O buscam e que procuram conhecer a verdade. É o grande prazer de Deus que essas pepitas adicionais da verdade fiquem parcialmente escondidas. Elas são como pérolas preciosas reservadas para os que buscam e pelos de Beréia e não devem ser jogadas diante de escavadores e pensadores relaxados.

O fato estimulante é que toda a informação necessária para entendermos nossos tempos está mais disponível hoje do que jamais esteve. Tudo de que precisamos é um pouquinho de investigação e bom senso. E, temos o imperativo bíblico para fazer assim: “E não sejais cúmplices nas obras infrutíferas das trevas; antes, porém, reprovai-as” (Ef 5.11).

O mundo se apega obstinadamente a uma crença no progresso humano sem Deus a despeito dos reveses das guerras mundiais recorrentes, dos desastres naturais, das repetidas atrocidades humanas e das quedas dos ídolos dos sistemas monetários e econômicos.

Todas as realizações do homem – a tecnologia (técnicas de produção, aumento da produtividade) e o acúmulo de riqueza – não são simplesmente resultado do nosso esforço e determinação. Deus é o autor de toda a criação, seus ciclos, suas propriedades naturais, tanto do que há no mundo quanto embaixo da terra e todas as possibilidades da tecnologia. A tecnologia e os sistemas financeiros possuem seus bons usos. Ao contrário, o coração do homem é o problema – a atitude idólatra de autodeterminação e de independência de Deus.

A tecnologia e os sistemas financeiros possuem seus bons usos. Ao contrário, o coração do homem é o problema.
Finalmente, as escolhas da humanidade serão julgadas. Um período de tribulação está adiante. Depois dele, vem a restauração. Isaías confirmou algumas das condições para depois desse tempo. Por exemplo, o sistema monetário baseado na Babilônia será destruído e “Nunca, jamais será habitada, ninguém morará nela de geração em geração” (Is 13.20); o governo das elites e dos ímpios terminará (Is 14.5); condições de paz prevalecerão (Is 14.7) e nenhuma atividade voraz destruirá a terra em sua busca por lucros (Is 14.8).

Aqueles que crêem no Deus de Israel e aceitam o dom da salvação através de Seu Filho cantarão em alta voz: “Digno é o Cordeiro que foi morto de receber o poder, e riqueza, e sabedoria, e força, e honra, e glória, e louvor!” (Ap 5.12).

E, definitivamente, o mundo está procurando um salvador campeão neste exato momento. Assim alardeia o título de uma recente reportagem econômica: “China: o Salvador do Mundo!”[1] A capa da revista Forbes recentemente proclamou em alta voz o título: “O Capitalismo Nos Salvará!” Um famoso jornalista escreveu recentemente: “Estamos salvos. Em meio aos entulhos dos mercados financeiro mundiais, podemos captar uma visão dos fundamentos de uma nova ordem internacional. A grande lição da crise foi aprendida: não podemos escapar de nossa dependência mútua”.[2]. Estes comentários revelam que o mundo está procurando por um salvador econômico, não o Eterno.

Procuramos nosso Salvador em todos os lugares. O apóstolo Paulo disse aos filipenses: “Pois a nossa pátria está nos céus, de onde também aguardamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo, o qual transformará o nosso corpo de humilhação, para ser igual ao corpo da sua glória” (Fp 3.20-21).

Enquanto o mundo debanda em direção a uma maior interconectividade global e a estados extremos de idolatria comercial em sua busca pela segurança dos grãos e do pão, ele ignora completamente o verdadeiro pão. “Porque o pão de Deus é o que desce do céu e dá vida ao mundo” (Jo 6.33). “Eu sou o pão vivo que desceu do céu; se alguém dele comer, viverá eternamente” (Jo 6.51).


Notas:

Global Economic Research, “Economic Cycles”, October 31, 2008, Société General.
Philip Stephens. “Globalisation and the New Nationalism Collide”, Financial Times, October 24, 2008.



Continue Reading…

sexta-feira, 20 de março de 2015

Está Consumado! As Últimas Palavras de Jesus


Por Marcel Malgo no portal Chamada

Vejamos três aspectos das duas últimas palavras de Jesus na cruz: a obra está consumada! A tarefa está cumprida! A luta já passou!

João 19.28-30 relata: “Depois, vendo Jesus que tudo já estava consumado, para se cumprir a Escritura, disse: Tenho sede! Estava ali um vaso cheio de vinagre. Embeberam de vinagre uma esponja e, fixando-a num caniço de hissopo, lha chegaram à boca. Quando, pois, Jesus tomou o vinagre, disse: Está consumado! E, inclinando a cabeça, rendeu o espírito”.

Essas últimas palavras de nosso Senhor – “Está consumado!” – poderiam ser traduzidas por: “Está concluído!”, “Está feito!”, “Acabou!” Partindo das últimas palavras de Jesus, vamos pensar um pouco mais sobre o sentido delas.

Está consumado, a obra está concluída!

Quando Jesus Cristo morreu na cruz do Gólgota, estava concluída a maior obra já iniciada nesta terra. Foi uma obra tão infinitamente grande – e acima de tudo tão difícil –, que deixava Jesus muito angustiado antes mesmo de começar. Quando todo o caminho de sofrimentos ainda se encontrava à Sua frente, Ele falou as comoventes palavras: “Eu vim para lançar fogo sobre a terra e bem quisera que já estivesse a arder. Tenho, porém, um batismo com o qual hei de ser batizado; e quanto me angustio até que o mesmo se realize! (Lc 12.49-50).

Jamais deveríamos nutrir a concepção errônea de que foi algo fácil para o Filho de Deus começar essa grande obra de salvação aqui na terra – e principalmente finalizá-la plenamente. Quando Jesus falou sobre o grão de trigo que deve morrer antes de produzir frutos, confessou abertamente: “Agora, está angustiada a minha alma...” (Jo 12.27). Angustiada, abalada, consternada estava a alma de nosso querido Salvador ao pensar no que iria enfrentar.

É estranho que Ele tenha se expressado dessa forma? Não. Bem antes da cruz Ele já sofria indizivelmente. A luta no Getsêmani custou muito suor, lágrimas e até gotas de sangue ao nosso Senhor. Ali Ele foi tomado de uma agonia tão grande que sentiu angústias de morte, literalmente. E pensemos ainda na Sua condenação e em tudo o que fizeram com Ele antes de morrer. Teve de suportar a terrível flagelação romana, um sofrimento que muitos condenados nem suportavam e morriam ainda antes da execução. Foi colocado um manto púrpura sobre Seus ombros machucados e uma coroa de espinhos em Sua cabeça. Essa coroa de espinhos não foi depositada gentilmente, mas com força bruta que fez o sangue jorrar. Apanhou com uma vara, que enterrou ainda mais os espinhos da coroa em Sua cabeça. E a própria execução, na cruz, ainda nem havia começado!

Precisamente com este propósito vim para esta hora. Pai, glorifica o teu nome...
Essa cruz era tão terrível, a escuridão tão profunda, as dores tão infernais, a sede tão insuportável, a solidão tão excruciante que o coração do martirizado Cordeiro de Deus clamou ao Pai: “Tu, Senhor, não te afastes de mim; força minha, apressa-te em socorrer-me. Livra a minha alma da espada, e, das presas do cão, a minha vida. Salva-me das fauces do leão e dos chifres dos búfalos; sim, tu me respondes”. Esse é o Salmo 22, um salmo profético que fala do sofrimento do Messias, especialmente nos versículos 19-21, onde esse clamor do Cordeiro de Deus já transparece antecipadamente.

Não devemos pensar, contudo, que em algum momento nosso Salvador tenha perdido o juízo ou tentado se desviar do caminho de sofrimentos que esperava por Ele. Jesus explicou em João 12.27-28: “Agora, está angustiada a minha alma, e que direi eu? Pai, salva-me desta hora? Mas precisamente com este propósito vim para esta hora. Pai, glorifica o teu nome...”. Em momento algum Jesus tentou desistir. Seu propósito era consumar a obra que Lhe estava destinada. O caminho era indizivelmente doloroso, a angústia era enorme, mas Ele seguiu Seu rumo até a morte, e morte de cruz. Das profundezas de sua tortura Ele conseguiu dizer: “Está consumado!” Sim, a obra estava concluída, de uma vez por todas. Consumá-la exigiu um altíssimo preço, mas Jesus agüentou até o amargo fim e realizou-a plenamente.

Está consumado, a tarefa foi cumprida

Com a morte de nosso Salvador na cruz do Calvário estava cumprida a mais grandiosa missão jamais entregue a alguém. Nosso Senhor morreu como Filho de Deus na cruz, mas como homem legítimo suportou toda a tortura envolvida no cumprimento de Sua incumbência. O tempo passava, hora após hora, e Ele se mantinha firme, padecendo as dores mais cruéis para cumprir a maior e mais difícil tarefa jamais imposta a algum homem sobre esta terra.

O Filho de Deus foi incumbido da difícil tarefa de salvar a humanidade ainda antes da fundação do mundo. Quem já existia antes da fundação do mundo? Deus, o Pai. E quem mais? Ninguém menos do que o Filho de Deus, Jesus Cristo. Miquéias, ao anunciar a vinda do Messias, diz que Suas origens são desde os tempos antigos, desde os dias da eternidade (Mq 5.2). Nosso Senhor já existia antes da criação do mundo. Naquele tempo, um profundo amor caracterizava a comunhão entre Pai e Filho. Na Oração Sacerdotal o próprio Jesus disse a Seu Pai: “tu me amaste antes da fundação do mundo” (Jo 17.24). Quando ainda não havia nada do que viria a ser criado, o Pai e o Filho já existiam, ligados em um amor imenso. Nesse tempo o Filho foi encarregado da mais árdua tarefa de todos os tempos. Ele, o mais amado do Pai, foi feito Cordeiro de Deus. Apocalipse 13.8 explica que Ele “foi morto desde a fundação do mundo”.

Nesse ponto somos confrontados com um contraste muito forte: por um lado, o Pai ama Seu Filho acima de tudo. Mas, por outro lado, é justamente esse Filho o predestinado ao matadouro, para vir a ser o Cordeiro de Deus. É assim que se expressa o amor de um pai por seu filho? Ainda antes da fundação do mundo aconteceu mais um fato que alvoroçaria de forma indescritível tanto o céu como a terra. Esse evento tinha um vínculo muito próximo com a grande e pesada tarefa de Jesus Cristo. Paulo a descreve assim: “Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo... como nos escolheu antes da fundação do mundo... e, em amor, nos predestinou para ele, para a adoção de filhos, por meio de Jesus Cristo...” (Ef 1.3-5). Antes da fundação do mundo Deus o Pai, em Seu insondável amor, já decidira que nós, pessoas deste mundo, nos tornaríamos filhos Seus! Mas para que isso viesse a se concretizar, alguém tinha de cumprir uma tarefa imensamente pesada e árdua: expiar os pecados que todos nós cometemos.

Sem expiação jamais poderíamos clamar “Aba, Pai!” (veja Romanos 8.15). Nós mesmos jamais poderíamos realizar essa tarefa, pois expiar pecados diante do Deus santo significa morrer. E dessa forma jamais teríamos nos tornado filhos de Deus, uma vez que teríamos morrido por causa dos nossos pecados. Portanto, alguém teve de morrer em nosso lugar para expiar nossa culpa, alguém que não tivesse pecado e não precisasse ser castigado por seus próprios pecados. E existe somente um, no céu e na terra, que preenche esse requisito, e este alguém é o amado e único Filho de Deus, Jesus Cristo.

Não é de admirar que Pedro tenha exclamado cheio de júbilo: “sabendo que não foi mediante coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados do vosso fútil procedimento que vossos pais vos legaram, mas pelo precioso sangue, como de cordeiro sem defeito e sem mácula, o sangue de Cristo, conhecido, com efeito, antes da fundação do mundo, porém manifestado no fim dos tempos, por amor de vós” (1 Pe 1.18-20).

Antes da fundação do mundo o Pai amava seu Filho primogênito, Jesus Cristo. E antes da fundação do mundo nós também fomos escolhidos para sermos filhos de Deus; o reino do Pai foi preparado para nós, os herdeiros. E antes da fundação do mundo o amado primogênito foi eleito para cumprir a mais difícil de todas as tarefas: morrer como Cordeiro de Deus na cruz do Calvário – em nosso favor.

Diante de uma obra de salvação tão maravilhosa, só nos resta expressar toda a nossa adoração, nossa admiração e nossa gratidão. Como foi que nosso Senhor e Salvador reagiu quando confrontado com a tarefa que iria lhe custar a vida de uma forma tão horrível? Sua reação foi quase inacreditável: “Então, eu disse: eis aqui estou, no rolo do livro está escrito a meu respeito; agrada-me fazer a tua vontade, ó Deus meu; dentro do meu coração está a tua lei” (Sl 40.7-8). “Disse-lhes Jesus: A minha comida consiste em fazer a vontade daquele que me enviou a realizar a sua obra” (Jo 4.34). “Porque eu desci do céu, não para fazer a minha própria vontade, e sim a vontade daquele que me enviou” (Jo 6.38). É impressionante ver que o Filho amado do Pai demonstrasse tamanha disposição de se tornar o Cordeiro de Deus! Jesus Cristo morreu na cruz do Gólgota cumprindo a mais difícil tarefa de todos os tempos. E hoje todos nós podemos testemunhar com muita alegria: A tarefa está cumprida! Está consumado!

Está consumado, a luta terminou!

A obra está consumada! A tarefa está cumprida! A luta do Cordeiro de Deus já passou, definitivamente! O que isso deve ter significado para o Senhor no momento em que falou: “Está consumado!”? Como Ele deve ter se sentido quando chegou ao final de Sua dolorosa e cruenta jornada e Sua luta chegou ao fim? Com nossa mente limitada nem conseguimos compreender esse grandioso fato. Mas sem dúvida houve triunfo imenso nos céus quando o Cordeiro de Deus venceu no Gólgota. O próprio Jesus Cristo havia explicado que haveria muita alegria entre os anjos de Deus por um pecador que se arrepende (Lc 15.10). Quanto maior deve ter sido a alegria dos céus, quanto mais grandioso deve ter sido o júbilo quando o Cordeiro de Deus retornou como herói triunfante!

Percebemos um pouco desse triunfo no novo cântico que os vinte e quatro anciãos entoam em honra ao Cordeiro de Deus: “Digno és de tomar o livro e abrir-lhe os selos, porque foste morto e com o teu sangue compraste para Deus os que procedem de toda tribo, língua, povo e nação” (Ap 5.9).

Qual é o objeto do grande triunfo de nosso Senhor? Qual é seu despojo de vitória? Apocalipse 5.9 responde muito bem a essas perguntas quando posto lado a lado com o versículo 10: “e para o nosso Deus os constituíste reino e sacerdotes e reinarão sobre a terra”. O grande triunfo de nosso Senhor, aquilo que fazia Sua vitória tão magnífica, tão grandiosa e tão incomparável, somos nós. Nós somos Seu triunfo, nós somos Sua recompensa, a parte que Lhe cabe por direito!

Nós somos a recompensa pelas Suas dores indizíveis. Você faz parte dos comprados pelo sangue do Cordeiro?
Mas tem ainda mais: Nós somos a recompensa pelas Suas dores indizíveis: “Ele verá o fruto do penoso trabalho de sua alma e ficará satisfeito; o meu Servo, o Justo, com o seu conhecimento, justificará a muitos, porque as iniqüidades deles levará sobre si” (Is 53.11). Por ter se empenhado, Ele verá o fruto e receberá a plenitude, que é a multidão de pessoas que têm a vida eterna por meio de Sua morte. Sim, a luta findou, o Cordeiro venceu, Sua recompensa é imensa.

Você faz parte?

Você faz parte dos comprados pelo sangue do Cordeiro? Você é parte da recompensa que o Salvador recebeu por Suas dores indescritíveis? A morte dEle já se tornou vida para você? Por favor, entenda bem o que aconteceu lá no Gólgota: Cristo morreu por você, por você pessoalmente. Ele morreu porque o Pai celestial lhe ama a ponto de entregar Seu amado Filho à morte (Jo 3.16).

Você já foi até Jesus com toda a sua carga de pecados? Quando Jesus exclamou “Está consumado!”, uma anistia geral foi proclamada a todas as pessoas do mundo inteiro. A partir desse momento qualquer pessoa, por mais ruim, pecadora ou suja que esteja, pode vir a Jesus e receber dEle a garantia de estar liberta para todo o sempre! Essas duas últimas palavras de Jesus na cruz do Gólgota são capazes de transformar pobres pecadores, pecadores perdidos e imundos, em filhos de Deus perdoados e felizes. Diante dessas palavras magníficas, diante de todo o profundo significado que elas representam, eu pergunto: você está salvo hoje e por todo o sempre?

Você pode testemunhar e confessar que essas duas palavras transformaram completamente a sua vida? Quando Jesus declarou “Está consumado!”, Sua luta tinha chegado ao fim. E você? Sua luta também já terminou? Você também pode exclamar com júbilo “Está consumado!” e refugiar-se no Salvador. Ele sofreu por você, Ele sangrou por você, Ele lutou por você. Nele você encontra a paz. Ele espera por você. Sua obra está consumada! A tarefa está cumprida! A luta já passou! Agora o céu está aberto para cada um de nós!
Continue Reading…
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Amigos

Assine PCamaral

Receba atualizações do blog. É só cadastrar seu email. É grátis!

Mais lidos

Arquivos do Blog

PUBLICIDADE

Tradutor

Copyright © PCamaral | Powered by Blogger
Design by Saeed Salam | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com